domingo, 6 de maio de 2018

Petróleo do Amapá: queda de braço entre franceses e ambientalistas

Ainda vai durar a queda de braço entre a Total Petróleo, empresa francesa, ganhadora da licitação para explorar a costa, a altura do Oiapoque, e o Greenpeace. Anteontem, 4, a Total soltou uma nota  dizendo que não existe formação biogênica (rochas sedimentares, recifes) no bloco FZA-M-57”, um dos cinco que está sendo explorado para buscar hidrocarbonetos.

Novo round

A Total reitera que a área que está sendo sondada, a 1.800 metros de profundidade, está a mais de 34 km de distância dos corais citados pelo Greenpeace. A guerra de informação vai continuar. O Greenpeace disse, ontem, que vai vistoriar, também, a costa da Guiana Francesa, onde a Total Petróleo possui autorização para exploração.

Nenhum comentário:

Wagner Gomes questiona pesquisa CTB

"A pesquisa feita pela Mentor, a mando da CTB, me pareceu bastante estranha e contemporânea", me disse o advogado Wagner Gomes, ...