quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Promotor Moisés Rivaldo pede demissão do cargo de Secretário Municipal de Educação


Da assessoria de marketing (PM)

Na manhã de hoje, 27, o secretário municipal de Educação de Macapá, Promotor Moisés Rivaldo, que estava afastado do cargo, pediu, oficialmente, sua exoneração ao prefeito Clécio Luís. O pedido foi protocolado no gabinete do prefeito, e decorre, principalmente, dos desdobramentos de uma investigação policial. “Essas circunstâncias decorrem da dedicação que precisarei para agir em minha defesa e provar minha inocência, razão pela qual venho, por meio deste, solicitar minha exoneração do Cargo de Secretário Municipal de Educação de Macapá”, explicou o promotor de Justiça Inativo. 
Promotor Moisés pede exoneração da SEMED

Também na carta, Moisés Rivaldo solicito ainda, que se após o dia 30 de novembro de 2017, alguma verba tiver sido paga a ele, através de depósito bancário sem a devida prestação dos serviços, embora ainda no cargo, que sejam informados os valores e a conta bancária para a devida devolução aos cofres públicos municipais. “Nunca recebi nada além daquilo que é fruto do meu trabalho; honesto, ao longo de toda a vida, que fique registrado”, afirmou. 

O ex-secretário fez um balanço dos 10 meses de sua gestão à frente da SEMED que, segundo ele, foram positivos. “Com o apoio de todos os servidores da SEMED, efetivos, comissionados e contratados, competentes guerreiros e defensores da Educação, conseguimos muitas realizações. Com todos eles, tenho a honra e a satisfação de, juntamente com V.Exa., deixar um legado nunca visto na educação do município de Macapá”, avalia Moisés Rivaldo. 

De forma breve e sem entrar em detalhes, o Promotor de Justiça inativo comentou sobre a operação da Polícia Federal. “Estou sendo acusado de práticas de crimes que não cometi, de coisas que não fazem parte do meu histórico, totalmente contrários à minha vida profissional de 26 anos de Promotor de Justiça nesse Estado, bem como de Cidadão e pai de família, sem nunca me desviar da ética e da moralidade. Não quero aqui entrar no mérito das acusações, mas lhe assegurar minha inocência, que minha consciência está tranquila, tendo a certeza que tudo será esclarecido no momento certo”, afirmou. “O Tempo é o senhor da razão e da justiça. A mentira é efêmera, a verdade é eterna”, completou. 


Nenhum comentário:

Wagner Gomes questiona pesquisa CTB

"A pesquisa feita pela Mentor, a mando da CTB, me pareceu bastante estranha e contemporânea", me disse o advogado Wagner Gomes, ...