segunda-feira, 29 de maio de 2017

Que democracia?

Olimpio Guarany


A constituição de 1988 nos devolveu o Estado Democrático e de Direito, mas o país enfrentou, essa semana, as turbulências de quem ainda dá os primeiros voos. Há quem defenda a tese de que já era tempo do Brasil ter amadurecido, mas não é bem assim que a banda toca. Os interesses de grupos partidários e ideológicos acabam sobrepondo os interesses do país.
Num espaço de menos de 30 anos, um piscar de olhos para quem já tem mais de 500, o Brasil viveu dois desgastantes processos de impeanchment. Em 1992 Fernando Collor foi apeado da presidência, um politico com viés de centro direita e em 2016 foi a vez de uma mulher, a primeira a governar o país,  Dilma Roussef, de esquerda. E isso é bom ou ruim? Nenhuma coisa, nem outra.Os dois foram legais, ou seja, os dois processos seguiram os ritos constitucionais. Tudo dentro dos preceitos da carta magna.
Pois bem. Com a crise política recrudescendo a partir do afastamento de Dilma Roussef, se prolongando durante o governo Temer, não faltaram “pensadores iluminados” para sugerir que deveríamos ter eleição direta, imediatamente. Para quem não conhece a Constituição brasileira sugiro ler o Art. 82. O mandato do Presidente da República é de quatro anos e terá início em primeiro de janeiro do ano seguinte ao da sua eleição. 
Só é possível nova eleição antes de terminar os quatro anos do mandato da chapa eleita depois da última vaga aberta, mas ai ainda tem duas condições, entenda: Vagando os cargos de Presidente e Vice-Presidente da República, teremos eleição direta no prazo de noventa dias após ter sido aberta a última vaga (Art. 81), entretanto se a vacância ocorrer nos últimos dois anos do período presidencial, a eleição para ambos os cargos será indireta, cujos eleitores serão os senadores e deputados, trinta dias depois da última vaga aberta, - caso de Temer -  todavia em qualquer dos casos, os eleitos deverão completar o período de seus antecessores.
Isto quer dizer que se Temer cair, abrirá vacância e teremos eleição indireta no Congresso, pois estamos a menos de dois anos para o fim do mandato da chapa eleita em 2014. É cláusula pétrea, portanto não pode ser alterada.
Isso não quer dizer, entretanto, que os candidatos a presidente e vice tenham que ser um senador ou um deputado. Pode ser qualquer cidadão no gozo de seus direitos, filiado e indicado por um partido politico.
Essa semana com o agravamento da crise, função da divulgação das gravações do dono da JBS com Temer, não faltaram os oportunistas propondo uma PEC para eleição direta já, numa afronta a Constituição em vigor. Para alivio de quem conhece as nossas leis, a proposta estapafúrdia foi retirada de pauta. Desrespeitar a Lei Maior de um país é lesar a pátria.
Eleições diretas agora teria um custo financeiro, social, econômico e politico para o país. As instituições estão fortalecidas e funcionando. O Ministério Público, a Justiça e a Polícia Federal e as Forças Armadas estão prestigiadas pela população. O próprio Congresso, em meio as manifestações de quarta feira, 24, votou e aprovou as Medidas Provisórias que venciam naquele dia, não deixando o pais emperrar. Este é o momento de união para evitar que oportunistas destruam o país. A democracia é o regime das liberdades, mas precisa ser calcada na responsabilidade e no comprometimento com o País. É assim que a maioria do povo quer, um país livre e seguro. Democracia, sim!
________________________________________________________________________

Olimpio Guarany é jornalista, economista e professor universitário

Nenhum comentário:

Bolsonaro cumpre promessa de campanha e libera posse de armas

Presidente Jair Bolsonaro acaba de assinar o decreto que flexibiliza o estatuto do desarmamento permitindo que o cidadão possa comprar ar...