segunda-feira, 10 de abril de 2017

Fátima Pelaes debate violência contra a mulher no "Brazil Conference", em Harvard

Brasilia - Da redação

Para uma plateia diversificada de alunos, autoridades e transmissão ao vivo, a secretaria Especial de políticas para as Mulheres (SPM/MDH), Fátima Pelaes explicou a gravidade da violência contra as mulheres no Brasil e o que tem trabalhado, por meio do Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, para que aconteça o enfrentamento à violência. 
Fatima Pelaes fala do programa Rede Brasil Mulher instrumento
de combate a violência contra a mulher

O tema foi debatido no sábado (8), na terceira edição do Brazil Conference at Harvard & MIT, na Harvard University e no Massachusetts Institute of Tecnology. 

"A violência acontece de mais diversificadas maneiras. Eu venho do Norte do Brasil, da Amazônia. E lá tem uma lenda do boto, um homem bonito, que aparece em noites de lua cheia e engravida as mulheres. Mas, essa lenda, na verdade, foi criada para esconder crimes de violência contra a mulher". 

Por dia, no Brasil, 13 mulheres são assassinadas em média. Por hora, 503 sofrem violência física e a cada 11 minutos uma mulher é estuprada. 

"São tristes estatísticas que chocam. E precisam chocar, para criar um movimento forte da sociedade para combater essa grave violência". 

Como exemplo de ações que estão sendo desenvolvidas, a secretaria citou a Casa da Mulher Brasileira, que já funciona em Brasília, Curitiba e Campo Grande. Em 2016, as três casas atendeu cerca de 83 mil mulheres. 

Fátima Pelaes ainda falou do incentivo à implantação a Patrulha Maria da Penha, das Diretrizes do Feminicídio, da implantação do Ligue 180, como exemplos de ações importantes para o enfrentamento à violência. 

"Precisamos, além de enfrentar a violência, atacar a raiz do problema. Toda a violência nasce da cultura de que o homem é superior a mulher. É um aspecto cultural, onde é necessário uma grande mobilização para mudar". 

A secretaria Fátima Pelaes apresentou o Programa Rede Brasil Mulher, que reúne parceiros nos governos federal, estaduais e municipais, sociedade civil, movimentos de mulheres, empresas e organizações, que deverão trabalhar ações nos eixos: educação, saúde, espaços de poder e decisão, autonomia econômica e violência contra a mulher. 

Além da secretária Fátima Pelaes, o painel "Violência Urbana: Causas e Potenciais Soluções" contou com a presença do ex-secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame,; da professora da UFRJ, Luciana Boiteux; do ator Wagner Moura e o fundador do Movimento Uneafro- Brasil, Douglas Belchior.

Nenhum comentário:

Wagner Gomes questiona pesquisa CTB

"A pesquisa feita pela Mentor, a mando da CTB, me pareceu bastante estranha e contemporânea", me disse o advogado Wagner Gomes, ...