domingo, 17 de julho de 2016

Os jogos e a lavanderia

Olimpio Guarany

Toda vez que o Brasil enfrenta uma crise econômica sempre aparecem os iluminados" com idéias mirabolantes eivadas de soluções. Outros só requentam idéias velhas como se tivessem descoberto a pólvora. Pois bem. A "cabeça privilegiada"  do senador Ciro Nogueira (PP-PI) logo trabalhou para ofertar  uma proposta de solução que pode melhorar arrecadação, portanto, um belo” instrumento de combate a crise brasileira. O iluminado” parlamentar piauiense apresentou um projeto que libera os jogos de azar no Brasil. Pronto. Caiu nas graças do presidente da Casa Renan Calheiros (PMDB-AL). Claro. É que entre as propostas "salvadoras" de Renan está exatamente a aprovação da liberação de  cassinos, caça-níqueis, bingos e outros que tais. Pior, em regime de urgência.

O jogos de azar estão proibidos no Brasil desde abril de 1946. Quem acabou com a farra foi o então presidente Eurico Gaspar Dutra. À época foi constatado que os cassinos eram mais um antro de prostituição, lavagem de dinheiro e um paraíso para a atuação do crime organizado do que uma atividade econômica contribuinte para a melhoria da economia do país.

Do meu ponto de vista vejo que os defensores da liberação dos jogos de azar não passam de oportunistas querendo se aproveitar da fragilidade da opinião pública e das instituições públicas em momentos de crise. Entendo que o tema é polêmico, portanto é preciso ter muito cuidado com essa idéia de correr para a sua aprovação, sem que se promova um grande debate nacional. A reabertura de cassinos, bingos e caça níqueis, esses dois últimos fechados em 2004 depois do primeiro escândalo de corrupção do governo Lula podem  representar ameaça a um país já fragilizado, desacreditado e comprometido em seus valores mínimos.

Considero um despautério essa idéia da liberação do jogo. Pense bem. O Brasil está mergulhado numa grande crise provocada, principalmente, pelo maior escândalo de corrupção da história do país, grande parte relativo a lavagem de dinheiro.

Pincei alguns pontos da  brilhante" propostado senador Ciro Nogueira: os jogos de azar vão precisar de uma autorização. Casas de bingo voltam a funcionar. Fica autorizado também o funcionamento de videobingo ou bingo eletrônico. Cassinos ficam liberados em complexos de lazer. A fiscalização tem que ser da União. E o  jogo do bicho deixa de ser contravenção. Olha que maravilha! Os bicheiros deixam de ser contraventores! Pasmem! Numa só canetada, os bicheiros se transformam em homens sérios e honrados. Tenha santa paciência!
Pela lei,  todos os donos de cassinos, videobingos, caça níqueis  passam a ser empresários legais porque vão recolher seus impostos. Sim, mas e quanto isso vai significar em legalização de dinheiro roubado dos cofres públicos?  
Além de ser um meio fácil de lavagem de dinheiro, os jogos de azar, historicamente, sempre estiveram interligados ao tráfico de drogas e armas, portanto, meus amigos e minhas amigas, tenho todos os motivos de sobra para ser contra a mais esta pataquada que querem fazer com o meu país.
________________________________________________________________
Olimpio Guarany é jornalista, economista, publicitário e professor universitário.


Um comentário:

Ioli Pacciulli disse...

realmente um despautério....sociedade enganadora,políticos insensatos.. sucesso!!! Ioli Pacciulli

Wagner Gomes questiona pesquisa CTB

"A pesquisa feita pela Mentor, a mando da CTB, me pareceu bastante estranha e contemporânea", me disse o advogado Wagner Gomes, ...