segunda-feira, 14 de março de 2016

O Brasil encalacrado. Qual a saída.?

Olimpio Guarany

Não há registro na história da república brasileira de uma crise política com a dimensão da que vivemos hoje. Tenho conversado com gente experiente, acostumada a viver de perto as crises políticas em Brasilia, e ao que chego a conclusão de que o governo Dilma já acabou. Os acontecimentos da semana passada colocaram o país numa encruzilhada, e pelo jeito, só o impeachment ou a renúncia de Dilma - hipótese improvável devido a personalidade da presidente - ou ainda, em última análise, a cassação da chapa no TSE, esta, também remota.

Então vamos lá. O fato do senador Renan Calheiros que domina uma ala da legião PMDB - o termo é meu -  ter-se reunido com o senador José Serra (PSDB) já é um claro sinal de que o principal aliado do PT está prestes a desembarcar do Governo.

Como sempre ocorre em período de grave crise política - vide as que vivemos com a renúncia de Jânio Quadros e depois em momentos do pré-impeanchment de Collor - aparece um iluminado apresentando a solução através da mudança do sistema ou regime de governo. É bom lembrar que o parlamentarismo já foi rechaçado duas vezes pela população brasileira, a última em 1993, quando em plebiscito o presidencialismo ganhou. 

Agora o que se propõe é o semi presidencialismo. Houve quem dissesse, inclusive os dois lideres que trataram do assunto - Renan e Serra - que seria nos moldes do adotado na Espanha. Acho que eles não conhecem o regime espanhol que é Monarquista. Lá tem um rei que representa o Estado e um primeiro ministro que chefia o Governo. Esse modelo proposto por Renan e Serra, o semi presidencialismo, é idêntico ao francês, em vigor desde 4 de outubro de1958, criado pela conhecida constituição da Quinta República. Na França, o presidente é eleito pelo povo e passa a ser o chefe do Estado. É ele quem nomeia e, às vezes, demite o primeiro ministro e é, também, quem cuida da política externa. O primeiro ministro é o chefe do Governo. É o executivo.

Pois bem. A tradição brasileira é de presidencialismo puro desde da criação da república, em 1889, após o golpe que levou Deodoro da Fonseca ao poder.
De todo modo o povo brasileiro espera uma saída mais rápida para a crise, afinal os prognósticos revelam que nossa economia, se começássemos um plano de recuperação hoje, talvez em 2018 pudesse dar sinais de melhora. Estamos mergulhados numa crise econômica profunda. Não sei se mudando o sistema de governo encontraríamos o caminho, mas se essa for a saída, não pode ser decidida só no âmbito do Congresso como querem alguns, mas sim através de uma ampla consulta popular, um plebiscito. Caso contrário não terá legitimidade e o país permanecerá encalacrado.
_______________________________________________________________________

Olimpio Guarany é jornalista, economista e professor universitário

Nenhum comentário:

Wagner Gomes questiona pesquisa CTB

"A pesquisa feita pela Mentor, a mando da CTB, me pareceu bastante estranha e contemporânea", me disse o advogado Wagner Gomes, ...