segunda-feira, 16 de março de 2015

O 15 de março vai mudar a história do Brasil

Olimpio Guarany


Manifestação de 15/03/2015 em Brasilia

O Brasil pulsou, ontem. Se vestiu de verde e amarelo, sem violência, sem discurso de políticos, sem presença de celebridades, nem de cantores famosos fazendo show. Foi o povo quem fez a festa, pacificamente.
Participei da campanha das Diretas Já - morava em São Paulo - sentia de perto a indignação do povo. Mas aquele movimento era articulado pelos partidos políticos, lideranças, celebridades e cantores famosos. É certo que multidões foram às ruas, mas como a manifestação de ontem, além de eu nunca ter visto, não há registro na história do país.
É impressionante a capacidade do povo de se mobilizar, e de forma espontânea,  sem precisar de logística ou qualquer outro indutor. Os movimentos de, ontem, 15, já não foram mais difusos como os de 2013. Ontem o povo estava focado no "Fora Dilma", Fora PT, e "na indignação diante da corrupção que grassa no país".
Durante a semana, tanto o Planalto como o PT tentaram desqualificar o movimento, numa demonstração de falta de habilidade e de capacidade de entender o momento político pelo qual estamos passando.
Depois da manifestação, ontem à noite, diante da impossibilidade de se apresentar em público, face tamanha rejeição, Dilma escalou dois ministros - José Eduardo Cardozo e Miguel Rosseto para defender o governo. Foi um desastre. Trataram de diminiuir o movimento alegando de que foram os eleitores de Aécio, que era só classe média e por ai a fora. Deu dó de ver as falas patéticas e descabidas dos dois.
Não querer reconhecer o momento histórico que vive o país é, no minimo, estar fora da realidade. Está claro e definido que o barulho das ruas é reflexo da debilidade de um governo que se revela inépto.
Mais uma vez a inabilidade e falta de sintonia se ressaltou. Esse negócio de anunciar pacote anti corrupção e reforma política é falar no vazio, vindo de um governo sem autoridade e desacreditado.
O PT está há 12 anos no poder, viveu alguns momentos de glória com Lula, mas se perdeu ao colocar Dilma. Nesse período faltou compromisso com o país no quesito reforma política. Não mexeu uma palha sobre o assunto. Claro, estava tudo bem, tudo bom para o PT. Agora, sem respaldo popular, com o partido mergulhado na corrupção, no mar de lama do petrolão; querer apresentar pacote anti corrupção não passa credibilidade.
As manifestações de ontem não vão parar. Virão outras e outras até que o povo alcance seu objetivo, se tutela de ninguém, a mudança.

Nenhum comentário:

Os vizinhos

Dom Pedro José Conti -  Bispo de Macapá Conta Madre Teresa de Calcutá: “Certa noite, um senhor veio na nossa casa para pedir comida p...