segunda-feira, 13 de maio de 2013

Modernização dos portos ou o atraso? Eis a questão.


Olimpio Guarany

O Brasil perde competitividade no mercado internacional, numa economia cada vez mais globalizada, por conta de um sistema de portos arcaico e caro. Há muito tempo estamos atrasados no quesito logística de portos. Se quisermos melhorar nossa posição perante o mundo é indispensável que sejam feitos investimentos pesados na modernização dos nossos portos. Embora tarde, penso que Governo deu um grande passo ao editar a Medida Provisória 595/12. Conhecida como a MP dos Portos, essa iniciativa é considerada estratégica para diversos segmentos da economia, e vai, sem dúvida, aumentar a competitividade do setor e ampliar a participação brasileira no mercado internacional.
No ano passado, o porto de Santana foi incluido no mapa da logisica de portos mundiais pela sua localização estratégica, na foz do rio Amazonas, porta de entrada para a Amazonia.
Considerando que os portos de Santos e Paranaguá já estão estrangulados, com suas estruturas que já não atendem as demandas; que os custos elevados os torna um gargalo, reduzindo a capacidade de competição de nossos produtos lá fora;  e que, quando se trata da exportação de grãos da região Centro Oeste, onde as carretas carregadas esperam na fila até um mês para o embarque, o que representa um aumento significativo nos custos, a situação piora. Por tudo isso, concluimos que a tese do porto de Santana como entreposto para exportação de grãos, é a certa.
A localização do nosso porto é tão favorável que aqui pode-se construir um grande parque logistico capaz de atender as necessidades, principalmente, no respeita as exportações das commodities agricolas produzidas no Centro Oeste brasileiro
A solução intermodal, se utilizando a BR 316 que corta o Mato Grosso e vai até Itaituba (PA) com o transbordo para as barcaças que navegarão até o porto de Santana, vai resultar na redução dos custos do transporte da ordem de US$ 60 a US$ 80 por tonelada. Só isso já justifica os investimentos necessários para a ampliação e modernização do porto de Santana.
Por outro lado, apesar de dar um passo decisivo no sentido de modernizar os portos, diminuir seus custos, um dos maiores do mundo, custos estes que atrasam o desenvolvimento, o Governo encontra reação dentro de sua própria base. A ação dos lobbies de sindicatos dos estivadores, de empresas, de grupos politicos que trabalham pelo interesse privado, acabou disvirtuando a essência da proposta do Governo, quando parlamentares descompromissados com o país colocaram uma série de penduricalhos na MP, na hora da votação.
Chamar a iniciativa privada para dividir investimentos e gestão dos portos é uma demonstração de maturidade do Governo.
Aqui no Amapá sofremos um atraso criminoso na instalação do porto privado da Cianport, por conta da burocracia e da falta de capacidade para tomada de decisão do governo estadual.
Entendo que esse é um momento crucial para o Brasil dar o salto que precisa para se tornar mais comepetitivo.
Amanhã, 13, haverá sessão extraordinária na Câmara Federal para que seja votada a MP dos Portos.  Esperamos que, ao menos uma vez, os senhores parlamentares incorporem o espirito público, pensem no país e párem de cuidar só dos seus interesses.
--------------------------------------------------------
Olimpio Guarany é jornalista, economista, publicitário e professor universitário

Nenhum comentário:

O Amapá perde mais um pioneiro

Antonio Pereira da Silva - Antonio Português ( Foto: Blog Porta-retrato) Faleceu, ainda a pouco, o empresário Antonio da Silva Pereira, ...