terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Os desafios de Clécio


Olimpio Gurany

O prefeito que assume dia primeiro de janeiro é conhecido da sociedade amapaense. Clécio foi forjado nas lutas estudantis, entrou para militância partidária e foi eleito vereador. Agora virou prefeito da capital, um municipio que concentra a maior parte dos habitantes do Estado, portanto o que também  abriga as maiores demandas e os maiores problemas. 
Governar Macapá onde menos de 5% da população é servida com rede de esgoto e cerca de mais da metade não possui agua encanada, classificada entre as que detém os piores indicadores sociais do país, portanto com baixa qualidade de vida, é um grande desafio.
Como enfrentar esses desafios? Dificil de responder, todavia se tomarmos os numeros e estabelecermos as proporções, vamos verificar que quem tem um orçamento de um pouco mais de 10% do orçamento estadual e concentra mais de 70% da população não tem como fazer milagre. Apesar de manter a gana pelo trabalho, Clécio vai assumir o comando de um dos piores municipios do país em capacidade de arrecadação, meio indispensável para atender os seus fins; um municipio usurpado no direito de receber a parte que lhe cabe na receita do Estado. 
De posse de um diagnóstico sombrio, Clécio precisa ter a consicência de que terá que desprender mais horas de trabalho do que o normal para, no primeiro momento, buscar o equilibrio financeiro da prefeitura. Isso pode levar tempo, talvez mais do que os 100 dias fatidicos. 
A primeira ordem é arrumar a casa e, dependendo de como está, pode demorar mais do que se pensa. Os desafios precisam ser elencados e, não necessáriamente por essa ordem, vai ser preciso, de imediato, sair da inadimplência sob pena de não poder receber recursos federais; organizar, azeitar e fazer funcionar a máquina arrecadadora; organizar e botar pra trabalhar os recursos humanos; conversar e renegociar com credores ; estabelecer uma boa relação com a Câmara e convencer o Governo do Estado a assumir a sua parte, seja na perceria seja individualmente, no que diz respeito as demandas da população que paga impostos estaduais, mora na capital e precisa de serviços e equipamentos urbanos que também competem ao Estado.
No mais, é  lembrar o estadista francês Charles De Gaull que disse: “os desafios foram feitos para serem enfrentados e os obstáculos para serem ultrapassados”. Allez, Clécio.
--------------------------------------------------------------------------
Olimpio Guarany é jornalista, economista, publicitário e professor universitário

Nenhum comentário:

O Amapá perde mais um pioneiro

Antonio Pereira da Silva - Antonio Português ( Foto: Blog Porta-retrato) Faleceu, ainda a pouco, o empresário Antonio da Silva Pereira, ...