segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Diabetes - Entrevista com Dr. Wild Cavalcante


Diabétes

No último dia 14 foi celebrado o dia  mundial de combate ao diabetes. Hoje abri mão de escrever meu artigo para reproduzir a entrevista concedida a mim, na TV, por um especialista, o médico endocrinologista, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia, o Dr. Wild Cavalcante.


Olimpio Guarany: O que é o diabetes?

Dr Wild Cavalcante: O diabetes faz parte de um grupo de doenças metabólicas em que há um distúrbio, um erro no metabolismo no corpo referente à glicose, ao açúcar no sangue. O indivíduo deixa de ter insulina – hormônio que queima essa glicose, que diminui esse açúcar do sangue. Então o indivíduo pode ter um erro de fabricação ou um erro na ação dessa insulina. Desse erro pode ter o diabetes tipo 1 ou diabetes tipo 2 .

OG: Como pode-se identificar quando é diabetes tipo 1 ou tipo 2?

DWC: O mais comum hoje é o tipo 2, que está relacionado com o ganho de peso, à obesidade, à pressão alta, com o colesterol alto. Esse é o diabético que era conhecido antigamente como não insulino-dependente. O quadro da doença não revela sintomas, quando ele vai sentir, geralmente cinco anos depois da doença que não foi diagnosticada,aí ele pode ter alguma complicação, ou com uma doença renal ou uma doença na retina do olho.
Já o diabético tipo 1 é o contrário, é aquele que era conhecido antigamente como o insulino-dependente, que acomete mais as crianças e jovens.

OG: O diabetes tem cura?

DWC: Cura é um nome que a gente ainda não pode usar hoje, há estudos que estão propondo a cura – estudos com diabéticos tipo 1, com células-tronco. Tem tratamento e tem controle.

OG: O que as pessoas devem fazer para identificar se elas têm a doença ou não? Existe uma idade limite em que a pessoa deve fazer o exame?

DWC: Por ser uma doença silenciosa,você faz o chamado rastreamento. E essa busca é feita nos postos de saúde, na atenção básica, no PSF. A equipe de saúde tem que saber identificar o grupo de risco, quem é que tem a chance de ser diabético.O principal fator de risco é a obesidade, geralmente é hipertenso, sedentário, maior de 45 anos. 

OG: Por exemplo, um adolescente, como os pais podem identificar ou procurar o serviço de saúde para fazer os exames para tentar detectar o diabetes?

DWC: Existe o tipo 1, que é comum em criança e adolescente, ele já abre o quadro com esses sintomas e os familiares já vão identificar, porque há uma perda de peso, tem um excesso de sede, a criança urina muito à noite.

OG: O que as pessoas devem fazer para prevenir?

DWC: Controlar o peso, estimulando a atividade física, com isso você não está gastando dinheiro. Para cada paciente tratado o valor é seis vezes maior do que o gasto para a prevenção.

Nenhum comentário:

Os vizinhos

Dom Pedro José Conti -  Bispo de Macapá Conta Madre Teresa de Calcutá: “Certa noite, um senhor veio na nossa casa para pedir comida p...